Arquivo da categoria: primeiro mês

Dieta pastosa!

Opa, completei 11 dias de dieta líquida e entrei na pastosa agora.

De manhã tive o apoio da mamãe que fez um mingau maravilhoso. Hoje foi um dia de remedinho novo também, já que tinha passado muito mal de dor ontem. O gosto não é muito bom, sabiam? Mas pelo menos a dor melhorou muito.

Hoje foi o primeiro dia que eu pude comer carne tb, moída e bem cozida, mas ainda sim, carne!! Um pouquinho de batata, de abóbora, de carne moída, de agrião e feijão. Como é bom ter algo mais pastoso para comer.

Ontem foi um dia difícil, mas as coisas parecem estar melhores.

Trabalhei hoje o dia todo e acho que rendeu bem. Não estou animada como nos outros dias, mas espero voltar logo ao “normal”.

Post cheio de fotinha, pra compensar o último só com textos. Boa noite.

 

4 Comentários

Arquivado em diário, Eu e o balão, primeiro mês

Corpo voltando ao normal

Hoje a tônica do dia foi… voltar ao normal. Foi até engraçado, por muitos momentos eu até esqueci que estava com o balão. A única coisa que permanece é a sensação de saciedade.

Para saber das experiências de outras pessoas eu fui caçar no orkut, de manhã bem cedo, uma comunidade sobre o balão intragástrico. Achei uma bem legal, mas achei muita gente que teve sintomas diferentes dos meus, como fome anormal. Acredito mesmo que a dieta que a dra. Liliam me passou é muito boa, pois não senti nada disso.

Li várias experiências diferentes de gente feliz e gente infeliz com o balão, mas não encontrei tantas pessoas que já tiraram para contar.

Além dessas dúvidas, muitos amigos também perguntaram coisas sobre o procedimento, por isso mesmo eu vou perguntar diretamente ao dr. Felipe na próxima consulta e gravar para vocês. Assim, se alguém quiser perguntar alguma coisa, manda pelo comentário, ou no meu formspring.

Ontem eu tive uma experiência engraçada, dentro do ônibus e estiquei meu braço para me segurar e achei meu braço menor. Bem menor pra dizer a verdade. Isso me deixou muito feliz. Boba, né?

1 comentário

Arquivado em diário, Eu e o balão, o começo, primeiro mês

Indo trabalhar

Acordei animada.

Deixei de pré-aviso meus chefes da minha condição de talvez não vir na segunda-feira. Que dependeria do meu ânimo e tal. A dr. Liliam me disse que na segunda eu não estaria mais enjoada e ela acertou.

Acordei morrendo de vontade de vir trabalhar. Afinal, ficar em casa apenas, já estava me dando uma angústia.

Estava super reticente ao tomar banho, me vestir… queria fazer tudo isso devagar, pra não me dar ânsia. Porém, não senti nem dor nem ânsia. Acho que poderia ter feitos as coisas até mais rapidamente. Tava com aquele medinho do ônibus também, de ficar chacoalhando e tal, mas foi super tranquilo.

Durante dois momentos eu senti um pouco de tontura, mas nada grave.

É interessante ficar olhando no relógio e contando os momentos em que preciso me alimentar. Isso não era um hábito. As vezes eu passava horas sem comer nada, pulava refeições, só por que eu esquecia. Estou aprendendo muitas coisas, afinal de contas.

Deixe um comentário

Arquivado em diário, Eu e o balão, primeiro mês, Trabalho e rotina

Musas e mulheres de verdade

Como prometido, aqui estão as fotos das meninas que eu fiz a pesquisa do post anterior.

Não sei vocês, mas acho todas elas muito bonitas! Mas eu nem preciso falar, basta ver as fotos!

E quase todas se consideram fora do padrão, o que acham?

@taiarock

E olha que ela me alertou que nessa foto ela estava de ressaca! Ela é a alma do #clawhatever.

@NaneUlsan

Além de tudo ela ouve rock e é inteligente e engraçada pra caramba!

@letiroese

Minha alma gêmea! 😄

@jenny_taylor

Essa mulher ensina muito marmanjo sobre futebol e sexo. Humor ácido, essa aqui é o sonho de todo homem! Basta seguir pra comprovar. 😉

@dojiii

Sexy, feminina, nerd. Preciso falar mais?

@debordin

Essa é minha chefe!! Hahahaha, linda, profissional, sagaz e muito companheira. Uma das melhores pessoas que eu já trabalhei.

@BarbsM

Musa nerd (mas muito bem acompanhada, hein!).

UPDATE:

A pedidos, vou colocar uma foto minha tb, na #CParty, que foi onde eu conheci boa parte dessas mulheres maravilhosas!

Eu na #CParty

15 Comentários

Arquivado em primeiro mês, saúde x magreza

Estou morrendo de vontade de comer um cachorro quente!

São 21:41, eu já comi e ainda estou com fome. Isso acaba comigo! Eu não comi muito é verdade, mas como emagrecer se apenas nos alimentarmos no “normal”? Para emagrecer é preciso comer bem menos que o normal, para que o corpo entenda que é preciso gastar aquela coisa toda que ele acumulou. Seja comendo bem menos, seja fazendo exercício físico (junto com a dieta).

Eu não tenho nenhum tipo de distúrbio alimentício. Nem compulsão, nem bulimia, nem anorexia (isso é óbvio) e essas coisas todas. Acho que no máximo me alimento com coisas bem calóricas e tomo bastante refrigerante.

Ou seja, mesmo que eu cortasse o refrigerante e comesse menos, isso ainda não ia adiantar muito para a perda de peso.

Para quem não é gordo deve ser difícil entender isso, mas não basta ter uma alimentação saudável para perder peso. Para manter a saúde talvez, mas não para emagrecer. E nem sempre essas duas coisas estão alinhadas, saúde e magreza. Quantas dietas malucas (e bem prejudiciais a saúde) eu vi pessoas fazendo. Tudo em nome da beleza, ou pelo menos, do padrão de beleza.

Eu tenho uma tia que é extremamente magra (ela usa 34/36) e no entanto ela não faz nenhum exercício físico, nada. Além disso ela ainda fuma. E as pessoas acham com certeza que ela é muito mais saudável.

Mas estou divagando.

Hoje eu acordei um pouco tarde pro meu horário, e tomei banho correndo. Fui trabalhar sem comer. Tomei chá verde gelado a manhã toda antes do almoço. Ás 13:30 fui comer num restaurante natural, comi carne de soja, arroz integral, salada verde, uma torta de frango com alho poró. Bebi chá mate (de verdade e não industrializado) com açúcar mascavo.

O pessoal comprou coca-cola de tarde no escritório e eu tomei um copo e meio. Depois, já no final da tarde (umas 18:30 pra ser mais exata), eu comi umas 4 bolachas tipo cookie.

Foi nostálgico ver aquelas comidas naturais, pois me lembrou muito todas as minhas outras dietas. Todas que eu já passei.

Numa mesa de magros eu era a única que sabia o que era stevia, pois nenhum deles nunca se importou em não comer açúcar, ou tentar emagrecer. E por mais que seja estranho, eu pareço sentir mais fome que eles. E cada grama que eu como parece valer muito mais.

“Não seja sedentária”, “Coma menos”, “Controle-se”, tudo isso sai constantemente da boca das outras pessoas, principalmente das magras “naturais”, aquelas que fazem tanto exercício quanto você e que comem tanto quanto você e no entanto perdem peso. É tão difícil assim entender que o dia tem 24 horas pra todo mundo?

Que eu acordo 8 horas, mais tardar, trabalho o dia todo e, na maioria das vezes, como hoje por exemplo, saio muito depois das 19 horas. Hoje eu saí do escritório às 20:30. Eu ainda escrevo os roteiros da minha revista em quadrinhos, tenho namorado, preciso tomar banho, preciso ler algumas coisas para o trabalho amanhã, preciso reescrever chamadas de um folder de um cliente que está atrasado e não pode passar de amanhã.

Além das coisas que não vai dar tempo de fazer, como falar com o Fred (desenhista da Patre Primordium) sobre a revista, ler pelo menos algumas páginas do livro que eu estou lendo (Caim – do Saramago), ou mesmo relaxar um pouco, escrever um post para um blog novo (ainda é segredo), escrever um conto do Mind This Song… Enfim… o meu dia também tem 24 horas, e eu não vou dormir tão cedo.

Não para acordar às 6 da manhã para caminhar na praia ou qualquer coisa que o valha. Coisa que me criticam muito: “Se você mora perto do mar, é TÃO FÁCIL caminhar de manhã e fazer exercícios físicos”. Para tanto eu tenho apenas uma coisa a dizer, isso tudo por que meu filho está viajando, pois se ele estivesse aqui eu ainda ia querer brincar com ele, fazer a tarefa da escola, assistir um pouco de desenho.

Estou um pouco rabugenta hoje, desculpem. Mas estou com fome, e não vou comer tão cedo. Talvez amanhã lá pelas 11.

Abraços.

Deixe um comentário

Arquivado em diário, primeiro mês

Os porquês…

Quando comecei a pensar nesse blog, o imaginei escrevendo como fake. E logo depois eu refleti, por quê?

Tinha receio de me expor, de ficar com alguma vergonha com a minha forma física, de me julgarem. E percebi o peso (sem trocadilhos) de ser obesa ou ter algum sobrepeso na nossa sociedade. Por que eu deveria ter vergonha de ser apenas quem eu sou?

Não estaria expondo nenhuma intimidade que todos já não compartilharam alguma vez. Sobre suas dificuldades, sobre seus problemas e principalmente, suas soluções. Não existe vergonha em se buscar o melhor para si.

E sobre o julgamento dos outros, bem, eu só posso dizer que se formos ter medo disso, nem sairíamos de casa, não é?

Para quem não sofre de obesidade algumas coisas podem parecer estranhas, mas carregar aquele peso a mais cansa muito. Minhas costas doem, meus pés doem. Aliás, fica super difícil manter os pés sem calos por causa disso. Muitos sapatos machucam, usar salto então se torna um desafio. Vejo muitas gordinhas passarem por isso com muita classe, coisa que, infelizmente, eu não tenho. Sempre preferi um bom tênis.

O corpo no final do dia, naquela hora que deitamos na cama, sempre dói em muitas partes.

Porém não vamos ser hipócritas, a questão do emagrecimento é estética, muito mais que apenas conforto físico. Talvez não devesse, mas é.

A maioria das coisas que vemos por aí, seja na televisão, na internet, na pornografia, na publicidade, na moda… nos leva a crer em uma máxima: ser bonita = ser magra = ser feliz. Como se o sobrepeso impedisse qualquer mulher de ser bonita, ou feliz.

No dia-a-dia sabemos que isso é verdade. Gordinhas amam, tem namorados, são elogiadas, e são felizes comendo coisas que as mulheres magras não podem (hehehe). Mas uma coisa sempre nos incomoda, uma coisa lá dentro de nós.

Outra coisa que me fez pensar muito foi uma conversa com uma amiga dias atrás. Ela foi no médico, e está com problemas do coração. Precisa emagrecer 20 quilos urgente.

Nessa hora eu pensei em ter algum problema ou ficar doente e principalmente eu pensei no meu filho, em como ele ficaria caso algo acontecesse comigo. Eu sou solteira e moro sozinha com o Daniel (meu filhote lindo), que depende muito de mim. E várias dessas coisas pesaram para que eu considerasse mais que nunca emagrecer.

Não queria que o post ficasse enorme, por isso vou parando por aqui. Fui ao medico, mas isso é assunto pra outra hora.

Beijos a todos! 😄

1 comentário

Arquivado em o começo, primeiro mês