Arquivo do mês: fevereiro 2010

Musas e mulheres de verdade

Como prometido, aqui estão as fotos das meninas que eu fiz a pesquisa do post anterior.

Não sei vocês, mas acho todas elas muito bonitas! Mas eu nem preciso falar, basta ver as fotos!

E quase todas se consideram fora do padrão, o que acham?

@taiarock

E olha que ela me alertou que nessa foto ela estava de ressaca! Ela é a alma do #clawhatever.

@NaneUlsan

Além de tudo ela ouve rock e é inteligente e engraçada pra caramba!

@letiroese

Minha alma gêmea! 😄

@jenny_taylor

Essa mulher ensina muito marmanjo sobre futebol e sexo. Humor ácido, essa aqui é o sonho de todo homem! Basta seguir pra comprovar. 😉

@dojiii

Sexy, feminina, nerd. Preciso falar mais?

@debordin

Essa é minha chefe!! Hahahaha, linda, profissional, sagaz e muito companheira. Uma das melhores pessoas que eu já trabalhei.

@BarbsM

Musa nerd (mas muito bem acompanhada, hein!).

UPDATE:

A pedidos, vou colocar uma foto minha tb, na #CParty, que foi onde eu conheci boa parte dessas mulheres maravilhosas!

Eu na #CParty

15 Comentários

Arquivado em primeiro mês, saúde x magreza

Você é de verdade?

Voltei pro Rio de Janeiro depois do trabalho. Fico muito feliz de estar em casa.

Durante a viagem de Brasília para cá eu peguei uma revista de bordo, e comecei a ler as matérias na sua maioria bem interessantes, até que eu vi uma entrevista com uma atriz. Fotos bonitas, a atriz linda, entrevista bem feita, mas eu notei uma coisa.  Nas perguntas sobre alimentação tinha que ela era vegetariana, que pretendia alcançar o ideal de comer mais grãos crus e coisas assim. Pouco açúcar. Sem refrigerante.

Logo me veio a mente todas as revistas que falam de boa forma e dieta, com todas aquelas receitas milagrosas de emagrecimento.

Um mesmo mantra de poucas calorias.

Dietas que cortam o açúcar, que pedem que você coma apenas sopa por uma semana, que sugerem cardápios completos por 3 dias, dietas que cortam carboidratos, chás que queimam (verde, branco, azul, hehehe) e tudo o mais que você imaginar.

Pensei, será que alguém faz mesmo tudo isso e segue?

Será que as atrizes e modelos são padrão para mulheres normais?

Com tudo isso em mente fui fazer uma pequena pesquisa. Bom, eu sei que fiz estatística na faculdade de Rádio e TV, então tenho uma boa noção que a minha pesquisa não tem base de amostragem, porém foi de bom coração.

Procurei as minhas amigas magras e bonitas e fiz algumas perguntas sobre exercícios regulares, alimentação, hábitos saudáveis e padrão de beleza.

Foram 7 mulheres ao todo (se elas permitirem eu posto as fotos depois) e descobri:

– Apenas 2 delas admitem fazer exercícios com certa regularidade, caminhada. 1 delas faz academia.

– Fora as caminhadas, ainda temos: dançar, yoga e sexo sem muita regularidade como exercícios.

– Apenas uma está com restrição alimentícia em açúcar (exatamente por não se considerar dentro do padrão).

– A maioria gosta de comer salada.

– Não registrei nenhum hábito saudável em especial em nenhuma delas, a não ser evitar excessos. Mas ao mesmo tempo temos 2 que bebem com freqüência, 1 que fuma, além de coisas como dormir tarde às vezes e comer fast food.

– Apenas 1 se considera dentro dos padrões de beleza. (Devo dizer de antemão que acho todas elas muito bonitas e magras, por isso perguntei para essas em especial)

Algumas coisas ficaram claras para mim.

Alguém ganha com a mídia em cima da indústria das dietas.

Mulheres de verdade tem vidas de verdade além da sua alimentação.

Muitas mulheres magras são assim pela genética.

Cada método de emagrecimento tem que ser diferente para cada pessoa.

Olha, sinceramente, se algumas dessas minhas amigas forem se alimentar em uma dieta feita para mim, é capaz de terem algum tipo de problema de saúde ou desnutrição (pelo metabolismo ser mais acelerado).

Eu ouço sempre que o pilar de uma vida magra é:

* exercícios com regularidade

* hábitos saudáveis

* alimentação balanceada

Mas isso não é bem verdade, talvez esse seja o pilar para uma vida saudável, mas não necessariamente uma vida magra. Ser magra é diferente de ser saudável!

A maior prova disso são os fumantes (que me perdoem) que muitas vezes reclamam de engordar depois que param de fumar. Ou de muitas meninas que tomam anfetaminas para emagrecer.

A época que eu fui mais magra, foi logo depois de sair de uma pneumonia. E muitas vezes eu digo: “Como gostaria de pegar pneumonia de novo”. Eu sei que pode ser um sacrilégio falar isso, mas quem já tentou emagrecer de diversas formas entende bem o que eu estou falando.

Temos quantas modelos morrendo de anorexia por aí, exatamente por esse dito padrão de beleza?

Não devemos então procurar hábitos saudáveis como exercícios regulares somente quando somos gordos. Adoçante e personal trainer não são apenas pra pessoas que querem emagrecer. Mas a sociedade faz parecer que sim. Nos faz acreditar que gordos são doentes, quando para nossas avós o oposto sempre foi a verdade. Quem nunca ouviu a vó falar: “Nossa como tá magro! Precisa se alimentar melhor!”

Dieta tem que ser individualizada. Tanto para balancear os nutrientes no organismo, quanto para emagrecer, quanto para engordar.

E tenho dito! 😛

9 Comentários

Arquivado em diário, saúde x magreza

Trabalho X Alimentação

Estou aqui em Brasília hoje, cobrindo o quarto congresso nacional do PT. O evento começou ontem, trabalhamos mais de 12 horas, chegamos hoje às 9 da manhã. Nem preciso dizer o quanto fica difícil se alimentar dentro dos padrões em uma situação como essa.

Primeiro que nos servem comida aqui dentro da sala de imprensa (com pão de queijo, sucos, bolos e bolachinhas), depois que temos o almoço por aqui (que ontem teve carne, arroz, feijão, algumas folhas e legumes). Mas o grande problema é ficar e comer na hora, comer de maneira regular. Quando saímos para as entrevistas não chegamos antes das 15 horas nem que quiséssemos.

E abusar nessas horas é inevitável.

Pior nem é tudo isso, pois lembramos que é uma ocasião especial, e não a rotina normal de trabalho. O pior mesmo é ver as fotos e filmagens em que eu apareço. Nossa… eu pareço uma monstra! Eu nem aprovei uma foto que era para entrar no albúm com o Ministro Padilha, porquê aparecia a minha barriga.

Sério, anteontem tiramos uma foto de teste da câmera nova e, numa boa, eu a usaria para afastar baratas na minha casa, ou assustar crianças no playground. E nem peçam que eu não vou postar essa foto nem se me oferecerem dinheiro. De fato eu a deletei no mesmo momento que a vi.

E aí, como fazer para tirar essa nóia absurda?

Olho para a mesa de comida e não sei se como por estar com fome, ou se não como nada pra perder esse peso todo. Como lidar com esses sentimentos quando devemos estar preocupados com outras coisas. Sim, eu trabalho muito, mas como conciliar? Trazer comida de casa?

Muita gente fala isso: “come uma barrinha”, “leva comida de casa”. Bom, não se se essas pessoas em questão ainda moram com as sua mães, ou tem empregada em casa que faça comida. Eu só sei que fica inviável pra mim fazer comida depois que chego em casa e congelar, ou whatever, para levar depois pro trabalho. Como fazer dieta assim?

Como ignorar o cansaço de mais de 12 horas de trabalho, para (ao invés de tomar banho e descansar) ir para o cozinha preparar algo para o dia seguinte, ou para passar no supermercado para comprar barrinhas, ou acordar 6 da manhã depois de ter ido dormir à 1, para dar tempo de se arrumar, tomar banho e ainda trabalhar o dia inteiro novamente?

Caso alguém aí saiba de uma formula mágica, me avisem!

Deixe um comentário

Arquivado em Trabalho e rotina

Estou morrendo de vontade de comer um cachorro quente!

São 21:41, eu já comi e ainda estou com fome. Isso acaba comigo! Eu não comi muito é verdade, mas como emagrecer se apenas nos alimentarmos no “normal”? Para emagrecer é preciso comer bem menos que o normal, para que o corpo entenda que é preciso gastar aquela coisa toda que ele acumulou. Seja comendo bem menos, seja fazendo exercício físico (junto com a dieta).

Eu não tenho nenhum tipo de distúrbio alimentício. Nem compulsão, nem bulimia, nem anorexia (isso é óbvio) e essas coisas todas. Acho que no máximo me alimento com coisas bem calóricas e tomo bastante refrigerante.

Ou seja, mesmo que eu cortasse o refrigerante e comesse menos, isso ainda não ia adiantar muito para a perda de peso.

Para quem não é gordo deve ser difícil entender isso, mas não basta ter uma alimentação saudável para perder peso. Para manter a saúde talvez, mas não para emagrecer. E nem sempre essas duas coisas estão alinhadas, saúde e magreza. Quantas dietas malucas (e bem prejudiciais a saúde) eu vi pessoas fazendo. Tudo em nome da beleza, ou pelo menos, do padrão de beleza.

Eu tenho uma tia que é extremamente magra (ela usa 34/36) e no entanto ela não faz nenhum exercício físico, nada. Além disso ela ainda fuma. E as pessoas acham com certeza que ela é muito mais saudável.

Mas estou divagando.

Hoje eu acordei um pouco tarde pro meu horário, e tomei banho correndo. Fui trabalhar sem comer. Tomei chá verde gelado a manhã toda antes do almoço. Ás 13:30 fui comer num restaurante natural, comi carne de soja, arroz integral, salada verde, uma torta de frango com alho poró. Bebi chá mate (de verdade e não industrializado) com açúcar mascavo.

O pessoal comprou coca-cola de tarde no escritório e eu tomei um copo e meio. Depois, já no final da tarde (umas 18:30 pra ser mais exata), eu comi umas 4 bolachas tipo cookie.

Foi nostálgico ver aquelas comidas naturais, pois me lembrou muito todas as minhas outras dietas. Todas que eu já passei.

Numa mesa de magros eu era a única que sabia o que era stevia, pois nenhum deles nunca se importou em não comer açúcar, ou tentar emagrecer. E por mais que seja estranho, eu pareço sentir mais fome que eles. E cada grama que eu como parece valer muito mais.

“Não seja sedentária”, “Coma menos”, “Controle-se”, tudo isso sai constantemente da boca das outras pessoas, principalmente das magras “naturais”, aquelas que fazem tanto exercício quanto você e que comem tanto quanto você e no entanto perdem peso. É tão difícil assim entender que o dia tem 24 horas pra todo mundo?

Que eu acordo 8 horas, mais tardar, trabalho o dia todo e, na maioria das vezes, como hoje por exemplo, saio muito depois das 19 horas. Hoje eu saí do escritório às 20:30. Eu ainda escrevo os roteiros da minha revista em quadrinhos, tenho namorado, preciso tomar banho, preciso ler algumas coisas para o trabalho amanhã, preciso reescrever chamadas de um folder de um cliente que está atrasado e não pode passar de amanhã.

Além das coisas que não vai dar tempo de fazer, como falar com o Fred (desenhista da Patre Primordium) sobre a revista, ler pelo menos algumas páginas do livro que eu estou lendo (Caim – do Saramago), ou mesmo relaxar um pouco, escrever um post para um blog novo (ainda é segredo), escrever um conto do Mind This Song… Enfim… o meu dia também tem 24 horas, e eu não vou dormir tão cedo.

Não para acordar às 6 da manhã para caminhar na praia ou qualquer coisa que o valha. Coisa que me criticam muito: “Se você mora perto do mar, é TÃO FÁCIL caminhar de manhã e fazer exercícios físicos”. Para tanto eu tenho apenas uma coisa a dizer, isso tudo por que meu filho está viajando, pois se ele estivesse aqui eu ainda ia querer brincar com ele, fazer a tarefa da escola, assistir um pouco de desenho.

Estou um pouco rabugenta hoje, desculpem. Mas estou com fome, e não vou comer tão cedo. Talvez amanhã lá pelas 11.

Abraços.

Deixe um comentário

Arquivado em diário, primeiro mês

Os porquês…

Quando comecei a pensar nesse blog, o imaginei escrevendo como fake. E logo depois eu refleti, por quê?

Tinha receio de me expor, de ficar com alguma vergonha com a minha forma física, de me julgarem. E percebi o peso (sem trocadilhos) de ser obesa ou ter algum sobrepeso na nossa sociedade. Por que eu deveria ter vergonha de ser apenas quem eu sou?

Não estaria expondo nenhuma intimidade que todos já não compartilharam alguma vez. Sobre suas dificuldades, sobre seus problemas e principalmente, suas soluções. Não existe vergonha em se buscar o melhor para si.

E sobre o julgamento dos outros, bem, eu só posso dizer que se formos ter medo disso, nem sairíamos de casa, não é?

Para quem não sofre de obesidade algumas coisas podem parecer estranhas, mas carregar aquele peso a mais cansa muito. Minhas costas doem, meus pés doem. Aliás, fica super difícil manter os pés sem calos por causa disso. Muitos sapatos machucam, usar salto então se torna um desafio. Vejo muitas gordinhas passarem por isso com muita classe, coisa que, infelizmente, eu não tenho. Sempre preferi um bom tênis.

O corpo no final do dia, naquela hora que deitamos na cama, sempre dói em muitas partes.

Porém não vamos ser hipócritas, a questão do emagrecimento é estética, muito mais que apenas conforto físico. Talvez não devesse, mas é.

A maioria das coisas que vemos por aí, seja na televisão, na internet, na pornografia, na publicidade, na moda… nos leva a crer em uma máxima: ser bonita = ser magra = ser feliz. Como se o sobrepeso impedisse qualquer mulher de ser bonita, ou feliz.

No dia-a-dia sabemos que isso é verdade. Gordinhas amam, tem namorados, são elogiadas, e são felizes comendo coisas que as mulheres magras não podem (hehehe). Mas uma coisa sempre nos incomoda, uma coisa lá dentro de nós.

Outra coisa que me fez pensar muito foi uma conversa com uma amiga dias atrás. Ela foi no médico, e está com problemas do coração. Precisa emagrecer 20 quilos urgente.

Nessa hora eu pensei em ter algum problema ou ficar doente e principalmente eu pensei no meu filho, em como ele ficaria caso algo acontecesse comigo. Eu sou solteira e moro sozinha com o Daniel (meu filhote lindo), que depende muito de mim. E várias dessas coisas pesaram para que eu considerasse mais que nunca emagrecer.

Não queria que o post ficasse enorme, por isso vou parando por aqui. Fui ao medico, mas isso é assunto pra outra hora.

Beijos a todos! 😄

1 comentário

Arquivado em o começo, primeiro mês