Arquivo do mês: fevereiro 2011

Como um evento pode contribuir com a sua dieta

Geralmente é difícil comer na rua, mas hoje eu me surpreendi. Cheguei no 1º Encontro Nacional de Comunicação Social Sistema Sebrae, que está acontecendo em Brasília, e recebi um saquinho com uma maçã e uma banana! Ainda tinha os dizeres na embalagem: “Aqui nossas ideias dão fruto”. E de tarde tem um chá montado aqui.

Assim é fácil manter a dieta! Se todos os eventos se preocupassem em disponibilizar alimentos saudáveis seria uma maravilha. Além dos alimentos, teve uma pequena oficina de ginástica laboral. Dá gosto vir num evento assim!

Ah, além de tudo, tinha informações sobre as frutas na etiqueta. Fica a dica aí para os grandes eventos.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em diário, Mudando meus hábitos, Trabalho e rotina

Remédios para emagrecer e a Anvisa

foto retirada do site oficial da Anvisa

Hoje, em Brasília, teve a primeira audiência pública que discutiu a proposta de retirar do mercado brasileiro os inibidores de apetite, como os remédios à base de sibutramina e dos anorexígenos anfetamínicos – anfepramona, femproporex e mazindol.

A Anvisa está de olho em tais medicamentos por seus efeitos colaterais e falta de comprovação de resultados a longo prazo. Eu, sinceramente não sei o que pensar disso tudo. Não uso esse tipo de remédios, mas confesso que já usei. Não obtive os resultados previstos, como dá pra notar. Conheço outras pessoas que já emagreceram antes com o auxílio de remédios e que hoje voltaram ao peso inicial.

Imagino que os profissionais da saúde devem estar divididos com essa polêmica, mas essas audiências públicas são importantes para isso, para cada um expressar a sua opinião. Eu não estive presente, mas pelo site da Anvisa, parece que vários médicos e farmacêuticos estavam presentes.

Espero que essa discussão vá pelo melhor caminho, o de priorizar a saúde do povo brasileiro.

Deixe um comentário

Arquivado em diário, Notícias

Sucos!

 

Sempre que eu vou na consulta com a dra. Liliam, volto cheia de receitas boas e gostosas. Dessa vez ela me passou uma série de sucos legais. Vou listar aqui os que eu mais gostei.

Suco Anticelulite

Ingredientes: 1/2 pepino, 1 beterraba, 1/2 maça, 4 cenouras

Modo de preparo: Passe todos os ingredientes na centrífuga. Enfeite com um palito de cenoura.

Eu não sei vocês, mas vou testar esse suco, poxa… anticelulite? hahahahaha! A explicação é a seguinte, o pepino hudrata, é desintoxicante e, com a ajuda da beterraba, que auxilia na circulação sanguínea, colabora para varrer as toxinas das células. A maçã facilita a digestão e a cenoura contribui para o bom funcionamento do intestino.

Suco Emagrecedor

Ingredientes: 1 punhado pequeno de algas secas, 1 beterraba, 1/2 maçã, 4 cenouras

Modo de preparo: Centrifugue todos os alimentos, menos a alga, que deve ser batida com o suco no liquidificador.

A maçã e a cenoura ajudam na digestão. A beterraba auxilia a circulação, e as algas para inibir a fome, dando saciedade.

Suco Antidepressão

Ingredientes: 3 beterrabas, 1 punhado de espinafre e salsa, 4 cenouras, 1/2 maçã

Modo de preparo: Passe os ingredientes na centrifuga, menos a salsa. Acrescente-a ao suco já pronto, misturando.

A beterraba e o espinafre auxiliam a circulação, o que estimula as funções cerebrais e acalma os nervos. O espinafre ainda estimula os movimentos peristálticos do intestino, regularizando-os. A maçã e a cenoura facilitam a digestão.

Suco Antienxaqueca

Ingredientes: 4 cenouras, 1 dente de alho, 2 talos de aipo, 1 punhado de salsa.

Modo de preparo: Centrifugue todos os ingredientes. Só a salsa deve ser acrescentada por último, sendo misturada com a colher.

O alho auxilia a digestão e colabora a eliminar as toxinas. Rico em sódio, o aipo hidrata, ajuda a acalmar e diminui a dor porque colabora com a circulação sanguinea. Já  a salsa auxilia a digestão.

Espero que tenham gostado dessas dicas! Vou experimentar esse antienxaqueca com certeza!!

Deixe um comentário

Arquivado em Colunas, Receitas

Comprando roupas novas

Na quinta-feira, saí da minha consulta com a dra. Bianca com uma “lição de casa”, comprar uma roupa nova para mim!

Conversei bastante sobre meus medos, e sobre eu me sentir feia, e ela me disse que eu precisava me redescobrir, descobrir meu corpo novamente e que comprar a roupa ia ajudar. Eu estava decidida, antes da consulta, a não fazer isso, afinal, logo teria que comprar outras, ou ajustá-las.

Porém, a sensei falou uma coisa importante, temos que curtir cada momento do emagrecimento, notar o que é real nessa história e tomar consciência dessas mudanças.

Então eu esperei minha mãe, que estava viajando, e hoje fomos no shopping. Nada como fazer compras com a mãe, não é?

E foi impressionante! Eu me acostumei a perguntar para as vendedoras qual era o maior tamanho que elas tinham, e geralmente era aquele que me servia. Na Eclectic eu  comprei uma blusinha tamanho G, até aí ok. Então fui na Enjoy, pedi um short (esse da foto) tamanho 46 ou 48 para experimentar.

A atendente então me olhou com uma cara de assustada e falou: “Imagina você deve ser tamanho 42 ou 44”.

De princípio eu ri, deixei ela buscar o tamanho 42 e… bom, olhando na foto vocês podem notar como o 42 me vestiu! Fiquei extasiada! Achei que era mentira, fiquei com um sorriso imenso! Gostei tanto que saí da loja vestida com as roupas novas já. Eu não comprava um short ou calça 42 desde a adolescência.

Eu sabia que na Enjoy a forma era maior, mas a última vez em que eu fui lá, eu usava 44 ou 46. Eu diminui um número sem dúvida! Pelo menos lá eles fazem roupas para mulheres brasileiras, que tem curvas, bunda e coxas. Tem lojas que eu vou que nem 48 me servem, parece terem sido feitas para mulheres de plástico.

Depois ainda passamos na Corpo e Alma e experimentamos mais roupas, no final comprei outro short, tamanho 44! Olha, nunca eu pediria para experimentar um número 44 em lugar nenhum!

Hoje eu pude ver que, mesmo a modelagem sendo maior (certeza que um 42 da maioria das marcas de patricinha não me serviriam), mesmo eu sendo cliente assídua a Enjoy, vi claramente o quanto eu emagreci! Claro que eu já via nas roupas que estavam grandes, mas agora eu posso ver como meu corpo está diferente.

Confesso que fiquei muito feliz! Não por um ímpeto consumista de sair comprando um monte de roupa, mas de ter visto como eu posso estar bonita se eu apenas me olhar de verdade.

6 Comentários

Arquivado em diário, Emocional, ENDOdiagnostic, Eu e o balão

3 meses depois…

O que é a nossa vida a não ser uma sequência de momentos? Muitas pequenas decisões que nos trouxeram até esse instante. Cada negligência, cada sucesso, cada lágrima e cada sorriso que nos fazem complexos e lindos.

Há algum tempo eu tenho recebido um e-mail marketing que diz: “Perdi x quilos com a dieta milagrosa de Fulana”. Confesso que o que eu mais queria era chegar aqui e dizer, “Gente, eu emagreci 20 quilos!”, mas isso não seria verdade. Perder muito peso em pouco tempo nunca é bom para o corpo, que geralmente perde músculos e massa magra em detrimento a permanecer saudável e perder massa gorda.

Mas no fundo, quem não sonha com uma resposta milagrosa?

Hoje eu fui na Endodiagnostic, para a consulta do terceiro mês com a nutri e a psicóloga. E uma coisa engraçada aconteceu, uma outra paciente que segue o blog queria me conhecer, e fez o comentário que eu faço tudo “certinho”. Mas sabem de uma coisa? Eu não sinto que faço tudo certinho, hehehe… Muitas vezes eu fico pensando que deveria ter me esforçado mais, não ter comido aquela colher a mais, podia ter comido mais devagar, ter acordado mais cedo e ir na praia.

Eu sou do tipo de pessoa que se cobra muito, que quer as coisas ideais, que carrega um “chicote” para se policiar caso saia da linha (de maneira figurada, tá gente, hehehe…). Por isso é tão estranho ouvir de alguém que me admira por isso. Não estou tentando bancar a falsa humilde aqui, nem nada, eu sei bem como é difícil fazer sua mente mudar hábitos tão arraigados. E por mais que pareça que não, minhas experiências são muito reais, e eu tenho muita dificuldade.

Sempre gosto de ler as coisas que os outros escrevem, as suas dificuldades, até para sentir que não estou sozinha lutando. E esse blog é para isso, para nos ajudarmos. Todos que quiserem dividir suas dificuldades aqui, o blog está de portas abertas!

Mas não era disso que eu ia falar, mas sim da maior dificuldade que eu tenho enfrentado, a da minha mente acompanhar o meu corpo.

Eu estou mudando fisicamente, como resultado da mudança dos meus hábitos. Mas agora eu me olho no espelho e me sinto estranha. Não se parece comigo aquela pessoa ali. Eu sinto que aquela pessoa eu não conheço, e por isso mesmo que a imagem no espelho é feia. Estou me sentindo horrível.

Eu tenho recebido elogios de muitas pessoas, até de amigos de adolescencência, que tem visto as minhas fotos no blog. Da minha mãe, meu namorado, colegas de trabalho. Mas nada disso tira a minha impressão que tudo que eu sabia sobre mim tem que ser revisto, e ainda não me acostumei com essa ideia. É como se agora eu tivesse que puxar a força a minha mente!

Hoje eu falei sobre isso com a dra. Bianca, e me ajudou muito! Nem sei como alguém pode passar por tudo isso sem essa ajuda psicológica. Emagrecer tem muito a ver com a nossa mente.

Eu estava apavorada de entrar na sala da dra. Liliam para me pesar e tirar as medidas. Apesar de ser óbvio a olhos nus a minha mudança, e se eu não tivesse emagrecido? Milhões de medos, ansiedade… Mas joguei tudo isso no lixo (literalmente) e fui em frente.

No final eu descobri que minhas medidas mudaram muito!! Aqui o resultado:


Olha a quantidade de medida que eu perdi!! E tudo indicando que eu perdi em percentual de gordura.

E se formos analisar o meu IMC, podemos notar que eu passei de Obesidade Grau 2 para o limite de Obesidade Grau 1, e se continuar assim, eu terei apenas um sobrepeso em breve. Ou seja, estarei fora da área de risco da saúde para entrar na área de apenas continuar com as coisas que estou aprendendo e ficar saudável de vez. Para ver a tabela do IMC, clique aqui.

Porém, apesar de tudo isso, ainda estou com 80 Kg. Comecei com 87 Kg.

Eu queria muito chegar aqui e dizer que não fiquei triste por ter perdido 7 quilos apenas, ou dizer que: “Nossa estou me sentindo linda com medidas menores”, mas nada disso ia ajudar no que eu me propus a fazer aqui, que foi falar a verdade. Que foi dividir com quem tem as mesmas dificuldades que eu, e a verdade é que mesmo com tudo, não é fácil.

Mudar não é fácil, ver as coisas pela ângulo que não o social também não. Quantas pessoas aqui já foram questionadas sobre quantos quilos perdeu? Quantas pessoas aqui receberam spam falando que perdeu trocentos quilos em tantos dias? Quantos de nós não sonhamos com isso, em falar “nossa, eu perdi 20 quilos”?

Mas é isso que é importante?

Quem é gordinho sofre uma pressão imensa de todos os lados, sofre com as pessoas em volta olhando feio toda vez que você come, e pior, fazendo cara de reprovação. Será que são esses olhares que vão nos levar a algum lugar?

Eu penso que não!

O que vai nos levar longe é a nossa força de vontade, e não apenas para emagrecer, mas para terminar aquele projeto, enfrentar aquilo que é difícil por algum motivo. Nós somos mais fortes que as pessoas que nunca sofreram esse tipo de pressão, passamos por muitas coisas, e não vai ser uma convenção idiota que vai me derrubar.

Eu estou mais saudável hoje, eu estou mais perto de ter um condicionamento físico melhor, para viver melhor. E isso sim é importante!

Hoje uma amiga minha passou na prova da UFRJ, e fiquei sabendo que um amigo meu perdeu o pai. E assim é a vida, feita de momentos…

5 Comentários

Arquivado em diário, Emocional, Eu e o balão

Só mais um pedacinho…

Não sei vocês, mas eu nunca me dei bem coma dieta dos pontos ou que conta calorias. Na teoria ela é muito boa, pois permite que você coma de tudo um pouco, porém teoricamente, se você quiser ficar comendo só chocolate e duas vezes no dia, pode.

Mas no fundo meu problema nem era esse, afinal, nunca quis destruir a minha saúde, mas sim a síndrome do “só mais um pedacinho”. Para mim é difícil parar de comer.

Principalmente aquela guloseima, sabe?

“Se um copo de determianda comida são 20 calorias, mais meio copo não vai fazer mal”, essa lógica já acabou comigo mais de uma vez. Ela somada naquela lógica do “caramba, comi demais, minha dieta foi pro brejo, então vou me acabar de comer”, são um dos motivos dos meus quilos a mais, como já comentei aqui uma vez.

A verdade é que contar calorias para uma pessoa como eu, que as vezes passava o dia todo sem comer, não ajudava em nada. O melhor mesmo é comer um pouquinho e sempre.

Tirinha do meu amigo Miguelito.

1 comentário

Arquivado em Eu e o balão, Mudando meus hábitos

Como nós…

O balão e o blog tem me feito conhecer muita gente legal. Pessoas que passaram ou passam coisas semelhantes, problemas semelhantes.
Algum tempo atrás recebi um comentário da Juliana, dizendo que iria colocar o balão, e eu fiquei super animada, para saber como foi, quem era ela. Então pedi para que ela escrevesse um post com a sua experiência, e aqui está. Espero que todos gostem como eu gostei!

Bem, meu nome é Juliana, tenho 32 anos, um filhote de 11 e um super marido. Perdi meu pai há 2 anos e é da família dele que herdei a tendência de engordar. Lutei contra o peso a vida toda, aos 16 anos cheguei aos 79 kg e, depois de uma dieta e muita malhação, parei nos 65 (tenho 1,70 de altura).

Mas, com 20 anos engravidei, engordei 30 kg e nunca mais emagreci. Fiz váááárias dietas, tomei todos os medicamentos que existem e como todos nós sabemos, de nada adiantou. Até que, em 2010, a balança passou dos 100 kg . Fiquei assustada e triste, não aguentava mais lutar sozinha.

Foi aí que comecei a pesquisar sobre o balão intragástrico. Achei o blog da Ana (que me deu a honra de poder contar aqui minha história) e li relatos de muitas outras pessoas, umas vencedoras em suas lutas e outras não. Conversei com meu marido e ele foi totalmente contra, disse que eu não precisava disso (não disse que ele era super??). Continuei insistindo e marquei uma consulta com o Dr. Flavio, da Endodiagnostic.  Em 2 horas de consulta, saí convencida que era aquilo que eu queria para mim, e o maridão também. O médico é tão claro com a gente, que nos dá uma segurança muito grande. Não promete milagres e sim, comprometimento. Não adianta colocar o balão e continuar sem regras e exercícios físicos. A mudança precisa ocorrer de dentro para fora, afinal, não existe um balão para o cérebro. (mas bem que poderia…)

Disposta a mudar, fiz a colocação em 14 de janeiro. Tudo muito tranqüilo, equipe excelente. Confesso que, quando saí do centro cirúrgico, pensei: “Caramba, o que eu tô fazendo aqui!!!”, um misto de insegurança e medo. Nas semanas seguintes, cada vez que eu vomitava, batia o arrependimento.

Hoje, quase 30 dias depois, ele já foi embora. E o que ficou foram as roupas caindo, os centímetros perdidos e os kilos eliminados. Neste percurso, conheci um anjo chamado Lilian (nossa nutri!!!). É para ela que eu ligava pedindo socorro, quando enjoava só de olhar para a dieta.  Cada consulta é um aprendizado, daqueles para a vida toda.

O balão é um trampolim, buscamos nele o estímulo que falta e juntamos com o desejo imensurável de mudança! Desejo este, que me move e me faz ter forças de superar os churrascos, feijoadas e pizzas de uma família festeira.

Não falei para ninguém que coloquei o balão. Só mesmo meus irmãos, mamãe e amigos muito próximos. Fiz esta opção, pois não queria conviver com as pessoas dizendo que “é só você fechar a boca, para que gastar tanto dinheiro!” Me poupei dos comentários desagradáveis. Só quem vive a obesidade para saber que não é só fechar a boca.

Quero e vou emagrecer 30 kg. É minha meta. Depois dos 6 meses, eu não sei. Quero viver cada minuto primeiro, curtir cada calça que não entrava, cada elogio recebido.  E entrar para o rol daqueles que conseguiram… e eu sei que vou!

Beijos de luz.

Juliana Degani

 

3 Comentários

Arquivado em ENDOdiagnostic, Eu e o balão, saúde x magreza, Uncategorized