Arquivo da categoria: saúde x magreza

Como nós…

O balão e o blog tem me feito conhecer muita gente legal. Pessoas que passaram ou passam coisas semelhantes, problemas semelhantes.
Algum tempo atrás recebi um comentário da Juliana, dizendo que iria colocar o balão, e eu fiquei super animada, para saber como foi, quem era ela. Então pedi para que ela escrevesse um post com a sua experiência, e aqui está. Espero que todos gostem como eu gostei!

Bem, meu nome é Juliana, tenho 32 anos, um filhote de 11 e um super marido. Perdi meu pai há 2 anos e é da família dele que herdei a tendência de engordar. Lutei contra o peso a vida toda, aos 16 anos cheguei aos 79 kg e, depois de uma dieta e muita malhação, parei nos 65 (tenho 1,70 de altura).

Mas, com 20 anos engravidei, engordei 30 kg e nunca mais emagreci. Fiz váááárias dietas, tomei todos os medicamentos que existem e como todos nós sabemos, de nada adiantou. Até que, em 2010, a balança passou dos 100 kg . Fiquei assustada e triste, não aguentava mais lutar sozinha.

Foi aí que comecei a pesquisar sobre o balão intragástrico. Achei o blog da Ana (que me deu a honra de poder contar aqui minha história) e li relatos de muitas outras pessoas, umas vencedoras em suas lutas e outras não. Conversei com meu marido e ele foi totalmente contra, disse que eu não precisava disso (não disse que ele era super??). Continuei insistindo e marquei uma consulta com o Dr. Flavio, da Endodiagnostic.  Em 2 horas de consulta, saí convencida que era aquilo que eu queria para mim, e o maridão também. O médico é tão claro com a gente, que nos dá uma segurança muito grande. Não promete milagres e sim, comprometimento. Não adianta colocar o balão e continuar sem regras e exercícios físicos. A mudança precisa ocorrer de dentro para fora, afinal, não existe um balão para o cérebro. (mas bem que poderia…)

Disposta a mudar, fiz a colocação em 14 de janeiro. Tudo muito tranqüilo, equipe excelente. Confesso que, quando saí do centro cirúrgico, pensei: “Caramba, o que eu tô fazendo aqui!!!”, um misto de insegurança e medo. Nas semanas seguintes, cada vez que eu vomitava, batia o arrependimento.

Hoje, quase 30 dias depois, ele já foi embora. E o que ficou foram as roupas caindo, os centímetros perdidos e os kilos eliminados. Neste percurso, conheci um anjo chamado Lilian (nossa nutri!!!). É para ela que eu ligava pedindo socorro, quando enjoava só de olhar para a dieta.  Cada consulta é um aprendizado, daqueles para a vida toda.

O balão é um trampolim, buscamos nele o estímulo que falta e juntamos com o desejo imensurável de mudança! Desejo este, que me move e me faz ter forças de superar os churrascos, feijoadas e pizzas de uma família festeira.

Não falei para ninguém que coloquei o balão. Só mesmo meus irmãos, mamãe e amigos muito próximos. Fiz esta opção, pois não queria conviver com as pessoas dizendo que “é só você fechar a boca, para que gastar tanto dinheiro!” Me poupei dos comentários desagradáveis. Só quem vive a obesidade para saber que não é só fechar a boca.

Quero e vou emagrecer 30 kg. É minha meta. Depois dos 6 meses, eu não sei. Quero viver cada minuto primeiro, curtir cada calça que não entrava, cada elogio recebido.  E entrar para o rol daqueles que conseguiram… e eu sei que vou!

Beijos de luz.

Juliana Degani

 

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em ENDOdiagnostic, Eu e o balão, saúde x magreza, Uncategorized

Água quente aromatizada

E aí pessoal? Eu tenho recebido muito comentários legais, tanto aqui no blog, quanto no facebook, que me deixam muito feliz. Pessoas com dúvidas quanto ao procedimento, ou mesmo amigos que nem pensam em colocar o balão mas se sentem motivados de voltar a malhar ou se alimentar melhor.

Esses comentários me dão muita força, por isso mesmo, obrigada!

Mas hoje que queria falar de algo pouco diferente. Fui almoçar com a linda da Nane e acabei comendo um pouco demais, pão integral, pasta de atum, alface, tomate e suco de abacaxi. O problema foi que eu não parei quando senti que devia e acabei comendo demais.

Achei que eu ia vomitar quando chegasse, mas ao invés disso eu tomei um chá de erva-doce. Foi muito bom para passar a sensação ruim. Ainda fiquei sentindo incômodo, mas com certeza ajudou na minha digestão.

Desde pequena eu tenho certa ligação com remédios homeopáticos e receitas caseiras da avó, que sempre incluíam os chás. Chá de camomila para acalmar, chá de boldo para melhorar a digestão e assim por diante.

O mais legal era que minha avó planta essas ervas no quintal e faz o chá direto da planta, o que faz tudo ter um aroma e um sabor todo especial. Tudo sem açúcar, desde que eu era criança. Aprendi a apreciar o sabor.

Quando meu primo Pedro voltou da China, ele trouxe chás de lá, e andou treinando um pouco para conhecer a cerimônia chinesa do chá. Um dia sentamos para tomar um de jasmim chinês e foi delicioso. Impressionante como essas pequenas coisas podem ser prazeirosas.

Além de cada erva que você pode colocar no chá, eu sempre tive o conselho que a água quente é excelente de se tomar, o que torna o chá ainda melhor. Tudo isso vindo da sabedoria popular.

Claro que com o avanço da ciência muitas coisas foram descobertas, até mesmo que chá em excesso pode fazer mal. Alguma erva com uma concentração maior (não vamos maliciar, ok?), ou mesmo a erva mate, que contém cafeína, pode causar problemas de sono e assim por diante.

Além de sermos bombardeados por várias anúncios de chás que emagrecem, chá verde, chá branco, chá azul anil (esse foi uma ironia 😛 ), enfim… eu particularmente não coloco muita fé nessas dietas doidas de revistas. Acho que essas revistas tem interesses e patrocinadores, como não poderia deixar de ser.

Por isso mesmo vou na da minha avó, ervas que eu conheço, sei a propriedade, sem exagero. E se eu tiver dor de estômago, chá de boldo (ajuda a curar ressaca também, hehehe).

Deixe um comentário

Arquivado em diário, Eu e o balão, saúde x magreza

Mudança de paladar

Certo, pessoal, ontem fez uma semana.

Preciso até me desculpar, por que não fiz um post ontem, mas sabem, o clima não estava nada bom aqui no Rio de Janeiro e sinceramente eu fiquei um pouco com medo, e isso me tirou toda a vontade de escrever, postar. Eu fiquei ansiosa mesmo e com os sentimentos exaltados.

Odeio violência, odeio ver gente sofrendo, odeio mortes. Essas coisas me afetam muito.

Nem mesmo me pesei ontem, no “dia 7”. Aliás, nem hoje. Evitei sair, fui apenas no cinema e já voltei. Prometo que amanhã me peso para fazermos o comparativo de uma semana.

Por causa dos últimos acontecimentos eu tive um pouco de azia e acabei dormindo mal. Acordei com dor no estômago e uma dor no braço, acho que dormi tão mal que acabei colocando meu braço embaixo de mim, sabe como é? E me deixou de manhã com dor. Tomei os remédios receitados e ficou tudo bem algum tempo depois.

Mas em compensação eu levantei com um ânimo absurdo, arrumei o fundo da casa, limpei a cozinha, arrumei a sala com bastante vontade. Fiquei satisfeita com o resultado da minha transformação.

Como eu disse, ainda não sei o quanto de peso eu perdi, mas estou acordando mais disposta, estou com menos sono, menos dor de cabeça, me sentindo mais leve, ou seja, eu já vi muitos resultados da decisão que tomei. O balão ajuda a manter essa dieta de limpeza, não sei se conseguiria sem ele.

Decidi que amanhã vou começar a caminhar. A dra. Liliam me disse que nesse começo é melhor apenas as caminhadas mais leves, pelo menos até eu entrar de vez em uma dieta sólida. Aliás, assim que a dieta sólida entrar vou pra academia voando. Tenho tido bastante energia, parada. Quero sentir isso, e as mudanças, quando começar a me exercitar. Sou muito sedentária, há muito tempo, então acho que uma série de dores nas costas vão melhorar com isso, bem como o meu sono.

Outra coisa interessante foi a minha mudança de paladar. Quando eu ia achar que tomaria iogurte natural desnatado diet de café da manhã e achar uma delícia! Sério, eu tô gostando muito mesmo, o paladar é ótimo. Purinho, sem açucar!!

Não sei até o quanto as mudanças vão acontecer. Eu sei que a minha cabeça continua a mesma, sofri um monte para ir no cinema e não comprar um saco de pipoca. Acho que ainda vai demorar muito para mudar de vez a minha forma de pensar comida, algumas coisas nem vão mudar.

Porém, espero que eu consiga chegar em um bom meio termo entre conseguir manter uma vida saudável e manter as coisas que eu acredito e gosto de fazer. Post longo e filosófico, desculpa pessoal…

1 comentário

Arquivado em diário, saúde x magreza

Fazendo um chá de camomila

Hoje eu acordei de mau humor, super ranzinza.

Não vomitei, senti um pouco de dor, mas os remédios impedem o pior, eu acho. Algumas coisas foram inseridas na minha alimentação a partir de hoje. Chás, suco de maçã e pêra e uma sopinha bem rala e coada.

A sopa tava uma delícia, foram os dois melhores momentos do dia. Feita pela mamãe. Agora estou fazendo um chá de camomila. Apenas 50 ml de cada vez.

Porém, o dia não foi nada fácil. QUE VONTADE ABSURDA DE MASTIGAR!

Gente, que coisa mais difícil! Fico com vontade de gritar.

Eu olho para os lugares e as pessoas estão comendo, o tempo todo! Eu fui passear ontem, e mesmo andando, eu via as pessoas comendo. Os lugares abertos eram restaurantes, quem estava na rua, comendo e bebendo cerveja.

A alimentação é entretenimento.

Não conseguia pensar nessas coisas antes de querer me reeducar. Certas coisas são inércia. Comer, beber, sentir o sabor.

Quando foi a última vez que eu parei para sentir realmente o sabor das coisas que estava ingerindo? Qual foi a última vez que você fez isso? E esse é um hábito bom?

A questão é estarmos em uma sociedade com hábitos gordos.

Outra coisa que me intriga são as propagandas, vemos ao mesmo tempo propagandas diversas de consumo alimentar, acompanhados de propagandas para ter o corpo perfeito. Não tem como não nos sentirmos escravos. E é isso que queremos?

Eu sei que não quero nem uma coisa nem outra. Eu era sim escrava dos desejos alimentares, estou tentando não ser. Também não quero me tornar uma escrava da beleza e do padrão estético.

Essa jornada é muito mais para conhecer o meu corpo, seus limites e como fazer para tratá-lo bem. Aliando uma mente menos consumista e imediatista. O sabor imediato na boca, ao invés do cuidado. O beber muita cerveja para acompanhar os amigos, se entorpecer. E pra que fazemos isso mesmo?

Sair na balada e não beber é a mesma coisa que estar numa roda e não aceitar um baseado? Sair numa pizarria e não comer, também é o mesmo? Comida, como consumimos, é uma droga?

Estou me sentindo em desintoxicação e com muita abstinência.

3 Comentários

Arquivado em Eu e o balão, o começo, saúde x magreza

Quando mudar?

Quando é que devemos pensar em mudar radicalmente a vida? Algumas pessoas passam por uma iluminação, outras apenas se conscientizam de uma hora para outra.

Para mim, certas mudanças não são nada fáceis, mudar os hábitos alimentares é uma delas.

Como várias pessoas aqui que lutam contra o peso, eu já passei pelo efeito sanfona, milhares de vezes (engorda, emagrece, engorda emagrece), dietas doidas que tomam apenas sopa, personal trainers, academia em casa (eu só nunca comprei aquelas coisas da polishop). Mas o fato é que quando fazemos aquelas dietas não estamos pensando em ficarmos saudáveis, mas sim em emagrecer quilos. Tudo isso as custas da nossa saúde.

Alguém em sã consciência acredita ser saudável se alimentar com apenas um grupo alimentar, ou com a falta de outro? Certas sabedorias vem das nossas avós, e não precisam de gênios para desvendar. Equilibrando carnes, frutas, verduras, legumes e carboidratos.

Porém, sempre achamos mais fácil passar ali e comprar um fast-food do que chegar em casa e cozinhar. Sempre mais fácil pegar um refrigerante e sair tomando que esperar um suco natural. E assim as nossas atitudes vão moldando um costume destrutivo para o nosso corpo, que queremos compensar maltratando ainda mais com certas dietas milagrosas (até chás, no que isso importa).

Confesso que muitas das tentativas anteriores em emagrecer eram muito mais por pressão familiar que por outra coisa, não me achava feia, tinha colesterol controlado e abaixo da média, e não me fatigava tanto. Mas confesso que isso tudo mudou. Não me sinto bonita, ao contrário, me sinto cada vez mais feia. Olhar no espelho tem se tornado um fardo para mim. Em quilos eu já estive mais gorda, mas isso não acabava com a minha auto-estima como tem feito nos últimos meses. Eu me sinto um lixo.

Semana passada estava na Rio Comicon e tenho que admitir, evitei tirar muitas fotos ou gravar entrevistas. Literalmente, fugi.

Ouço dos amigos e namorado que sou linda, mas nada me faz enfrentar aquilo que aparece nas superfícies refletoras em geral, o meu descontentamento comigo e com meu corpo.

Eu me sinto cansada, com dores de cabeça constantes, carregando um peso maior do que meu corpo aguenta. Eu precisava mudar!

Não sentia que apenas a minha vontade contaria para realizar essa mudança.

No começo do ano eu fui na ENDOdiagnostic, uma equipe de médicos que faz diversos procedimentos para emagrecer. Lembro como se fosse hoje quando minha mãe me passou o link do balão intra-gástrico, e perguntou timidamente (para quem conhece minha mãe sabe o quanto isso foi difícil) se eu estaria interessada.

Ela perguntou assim pois sabe bem como reajo quando abordada sobre esse assunto. Nós duas temos opiniões diferentes sobre quais são os melhores procedimentos em dietas e qual o modelo de beleza (eu prefiro quando ela fica mais “gostosa”, por exemplo). Mas nos últimos anos eu tenho sido mais agressiva que deveria sobre esse assunto.

Eu senti que não adiantava fazer nada, e que viver de maneira divertida, ou mesmo convivendo com os outros eram incompatíveis com um corpo magro.

Mas voltando, fui ver o dr. Felipe e pela primeira vez botei fé em um médico. Muitas vezes achei nutricionistas e endocrinologistas que não me passavam segurança, mas ali era diferente. Ele me falou uma coisa que faz sentido, “não adianta buscar a magreza pela magreza, não vale tudo para isso. O importante é ser saudável“. E a proposta deles é a de uma equipe que une uma nutricionista e uma psicóloga ao processo, e não apenas um endocrinologista.

É importante entender os três pilares do trabalho: Reeducação alimentar, exercícios físicos e hábitos de vida saudáveis

Decidi fazer a colocação do balão!

Eu sabia que não dava para fazer isso durante a campanha, afinal, como me educar numa época completamente fora dos padrões? Esperei, e na terça-feira fui ver o dr. Felipe novamente. Amanhã vou na consulta com a nutricionista e com a psicóloga (consultas necessárias antes de fazer o procedimento). E se tudo der certo a colocação é na sexta-feira mesmo.

Eles inserem o balão por endoscopia, então não vai ter corte, nem cirurgia.

Eu gostaria de dar uma palavra de incentivo no final desse post, mas a verdade é que estou ansiosa, cansada. Mas firme, por que agora não é algo que ninguém me impôs, é algo que EU quero.

PS: Amanhã dou mais notícias sobre as consultas e dieta que vou receber.

UPDATE

Só para não dizer que eu fugi completamente, tá aí uma foto minha com as meninas do Lady’s Comics e o Daniel Esteves!

Daniel Esteves, eu, a Mariamma e a Samanta.

2 Comentários

Arquivado em ENDOdiagnostic, o começo, saúde x magreza

Você votaria em uma gorda?

Falando com a Dolphin no msn recebi o link para um blog muito interessante, Sexismo na Política.

Logo de cara o primeiro post me chamou muito a atenção, “Um gordo pode ser presidente? E uma gorda?”. E poxa, descobri que a maioria das pessoas não votaria em uma mulher gorda. Estranho, não?

Os padrões de beleza e saúde se estendem para padrões de competência?

Quanto mais eu procuro mais perguntas eu tenho.

3 Comentários

Arquivado em saúde x magreza, Trabalho e rotina

Musas e mulheres de verdade

Como prometido, aqui estão as fotos das meninas que eu fiz a pesquisa do post anterior.

Não sei vocês, mas acho todas elas muito bonitas! Mas eu nem preciso falar, basta ver as fotos!

E quase todas se consideram fora do padrão, o que acham?

@taiarock

E olha que ela me alertou que nessa foto ela estava de ressaca! Ela é a alma do #clawhatever.

@NaneUlsan

Além de tudo ela ouve rock e é inteligente e engraçada pra caramba!

@letiroese

Minha alma gêmea! XD

@jenny_taylor

Essa mulher ensina muito marmanjo sobre futebol e sexo. Humor ácido, essa aqui é o sonho de todo homem! Basta seguir pra comprovar. 😉

@dojiii

Sexy, feminina, nerd. Preciso falar mais?

@debordin

Essa é minha chefe!! Hahahaha, linda, profissional, sagaz e muito companheira. Uma das melhores pessoas que eu já trabalhei.

@BarbsM

Musa nerd (mas muito bem acompanhada, hein!).

UPDATE:

A pedidos, vou colocar uma foto minha tb, na #CParty, que foi onde eu conheci boa parte dessas mulheres maravilhosas!

Eu na #CParty

15 Comentários

Arquivado em primeiro mês, saúde x magreza