Arquivo da tag: ana recalde

Final de Semana de Festa!

Semana passada aconteceu o combo de aniversários de março, meu pai faz dia 22, eu faço dia 25 e minha mãe dia 27. E para comemorar tive dois momentos especiais, um na sexta-feira, em casa. Alguns amigos (guerreiros) sairam do trabalho e foram até lá! Aliás, desde já agradecer ao Felipe que organizou, o Rômulo, o Rafael, o Zé e a Zulnara (em breve fotos da galera)!

Foi muito legal, eu até ganhei uma torta deliciosa! Abri uma excessão nesse final de semana e comi um pedaço dela.

Depois na sexta eu saí com a minha mãe e a Carla para comemorar os nossos aniversários. Fomos jantar e depois fomos ao Fasano, no Baretto-Londra. Fazia bastante tempo que eu não saía com minha mãe, e foi muito divertido. Conversamo, dançamos e até me dei ao luxo de tomar um drink, chamado Diavolo, com tequila e até pimenta do reino.

Claro que hoje estou de volta à dieta normal!

E acabei me lembrando da palavra mágica, equilíbrio. Na última consulta com a sensei Bianca falamos bastante disso. Eu acredito que a dieta tem que ser pra sempre, ou seja, não posso apenas seguir agora e não tentar ao máximo adaptar à minha realidade, para enfim, fazer parte de fato da minha vida. E na realidade (pelo menos na minha) às vezes vai rolar um bolo, ou um drink. O que eu não posso fazer, nem desejo, é permanecer comendo, sem pensar nas consequências.

Minha mãe

Bom, claro que eu ganhei presentes também além da torta, hehehe… Eu já tinha mostrado aqui a corrente que ganhei da mamãe. Bom ganhei mais dois presentes, um da Carla Russi, que foi um sapato lindo.

E ganhei da Zulnara um porta níquel da Sarah Chofakian.

Além de tudo, queria agradecer aqui todos os amigos que me mandaram twittes, DM’s, scraps, e-mails, telefonaram, sinal de fumaça e me fizeram sentir muito querida! Obrigada!

Anúncios

1 comentário

Arquivado em diário, Emocional

Ser mãe

Ontem eu vi no blog Monalisa de Pijamas um post sobre Ter ou não ter filhos. Na hora eu me identifiquei e fiz um comentário que quero postar aqui (corrigi os erros tá!)

“Pois é, assunto polêmico, hehehe…
Quando morava em Campo Grande – MS sentia que as mulheres que saissem um pouco que seja do padrão (casar e ter filhos) eram automaticamente tachadas de promíscuas. Eu mesma passei por esse problema, por ter tido filho e não ter me casado.

Mas uma coisa eu discordo das mulheres do artigo, filho não prende em nada! Olha só, eu fui criada pela minha mãe, que se separou definitivamente do meu pai quando eu tinha meus 4 anos de idade.

Quando eu tinha 1 ano ela foi fazer intercâmbio na Rússia, na época União Soviética, pelos seus ideais. Ouviu um monte de muita gente, mas a pessoa que mais importava, hoje se orgulha muito de tudo isso, eu. Como filha não tenho traumas a mais ou a menos por minha mãe ter sempre trabalhado muito, ao contrário, acho que me ajudou a ser uma mulher melhor e mais forte. Que vê a importância da dedicação em tudo que faz.

Além disso tivemos uma das melhores viagens juntas, quando fomos para Paris. Caramba, foi muito legal! Compartilhar momentos com seu filho e fazer dele seu amigo não prende ninguém, ao contrário te dá um companheiro, um amigo de verdade.

O problema é que muitos pais ainda vêem seus filhos como inferiores, no sentido de não achar que seja possível compartilhar suas coisas com eles. Qual é o problema em ver seus filhos como eles são?

Quando um amigo seu diz que fez um poema, você pode ler, e quando seu filho diz que fez, você lê? Você pergunta a seu filho como foi seu dia, assim como para o seu marido ou namorado?

A partir do momento que você ver que viajar com seu filho, passear com ele, se divertir junto, seu mundo se abre, e não fecha ou prende, tudo isso muda. Afinal o que você faria em algum lugar que não poderia fazer na frente do seu filho? E se não pode reveja seus conceitos, pois algo na sua atitude não está correta, ou você se condena por algo e não sabe.

Eu, minha mãe e meus primos na nossa viagem para Búzios

Ser pai ou mãe nada mais é que ser você em tempo integral, mostrar com atitudes o mundo que você deseja, que mundo quer construir para o amanhã. É exercitar diariamente o seu melhor lado, aquele que você gostaria que seu filho visse, aquele que você gostaria de ser sempre.

Deixar de ter filho pela carreira? Bom, para que você trabalha tanto e ganha tanto dinheiro? Para ter bens? Para se divertir? Para quê? Se a resposta dessa pergunta for, para me realizar profissionalmente (que é o caminho mais feliz, diga-se de passagem) acredite no que eu vou dizer, um filho nos abraça quando chegamos em casa e estamos cansadas, um filho é aquela pessoa que um dia você vai poder chorar e pedir um abraço sem questionar nenhuma segunda intenção, e se você fizer a sua parte de mãe, vai ser alguém que te ama profundamente e incondicionalmente.
Problemas existem em todas as relações humanas sem exceção. Porém, deixamos de nos relacionar? Uma mulher que não deseja filhos, deixa de ter seus namorados?

Gostamos de nos relacionar, precisamos disso. Gostamos e mantemos nossos amigos. Essas relações são preciosas, então por que não vale a pena ter um amor para toda uma vida?

Um filho nada mais é que isso, um amor/amigo para toda a vida.”

Nesse domingo é aniversário da minha mãe e eu gostaria de fazer esse post em homenagem à ela. A pessoa que me ensinou a maoria das coisas boas que eu sei.

Engraçado foi que com o exemplo dela eu sempre quis ser mãe, e com 20 anos eu fui no médico com dores abdominais, e ele me disse que eu teria que fazer tratamento para ter filhos. Na época fiquei muito triste, e com a alteração hormonal, engordei também. De lá pra cá tenho a luta com a balança (claro que tudo isso aliado a uma alimentação supercalórica e uma vida sedentária). Mas no final das contas tive filho normalmente, sem fazer nenhum tipo de tratamento. O mais engraçado foi que, quando eu amamentava, foi a época onde eu estava mais magra desse processo todo.

Viajando pra Petrópolis

Quero agradecer muito a minha mãe e ao meu filho, que tem sempre estado comigo esse tempo todo. Vocês são a minha alegria!

Sandra 2011 - Minha mãe não é uma gata?

5 Comentários

Arquivado em Colunas, Emocional

Manhã nublada

Hoje resolvi voltar a fazer meus exercícios de manhã. De noite o tempo que eu tenho para chegar do trabalho e sair pro personal trainer era pequeno, e eu ainda queria chegar em casa e jantar, conversar com o Daniel, enfim… a manhã é uma opção muito melhor.

Meu problema mesmo sempre foi acordar cedo. Uma notívaga convicta tem seus problemas com as manhãs, hehehe.

Ver o Leblon de manhã é muito gostoso devo admitir também, ver o pessoal caminhando. Não que de noite não tenha isso, mas o mar não tem aquele aspecto tão ameaçador.

Além disso, de noite fico mais livre para ver outras coisas.

Bom, mudando completamente de assunto, eu tenho que dizer que Metal e Hard Rock são as melhores coisas para se caminhar! Eu me empolgo completamente! Caminho mais rápido e tudo.

Aliás, hoje tive um problema em manter meu ritmo cardíaco abaixo dos 130 que o pessoal da Labofit me recomendou. Eu tive que “pegar” leve, o que me surpreendeu. A evolução do meu treinamento é grande, dá pra notar fácil no meu condicionamento.

A única coisa ruim do balão até agora foi a quantidade de cabelo meu que está caindo. Acontece o mesmo com vocês?

Bom, outra boa notícia é que sexta-feira é meu aniversário, e ganhei meu segundo presente (o primeiro foi do meu pai), uma corrente linda linda linda. Aliás, minha mãe tem bom gosto!

Estou super animada também com a chegada dos 29 anos.

 

Olha aí minha corrente linda!

 

3 Comentários

Arquivado em diário, Exercícios

É Hoje!

12 horas de jejum, as últimas 4 horas em jejum total.

Tem como dizer para não ficar ansiosa?

Bom, ontem eu estava ansiosa, mas não acho que de uma forma boa. Estava com um aperto no peito. Que passou logo que falei com as médicas lá na ENDOdiagnostic.

Hoje também estou um pouco ansiosa, mais como uma vontade de fazer logo o procedimento. Não estou com um aperto no peito nem nada. Estou com um pouco de sede, devo confessar, mas nada demais.

Nesse momento não sei se será fácil ou difícil me adaptar, mas o mais importante é que me sinto preparada para fazer, e aguentar depois qualquer incômodo. Mas faço por que acredito que o incômodo vai ser muito menor que os benefícios.

Vou tentar gravar algo ou tirar fotos de lá.

1 comentário

Arquivado em diário, o começo