Correndo

Desculpa aos leitores. Sério, eu sentia que precisava de um tempo depois da retirada do balão.

Ainda estou devendo um post com as fotos e de antes e depois, mas fiquem tranquilos que não vou deixar isso pra lá, em breve os meus antes e depois aqui 😉

Mas o assunto que eu queria compartilhar agora é outro, a corrida. Ando bem empolgada com a minha meta, de correr a longas distâncias. Estou andando com frequência e acompanhando com o personal, enfim, animada.

Por isso queria compartilhar esse texto com você:

por Breno Altamn*

“Comecei a correr há pouco menos de três anos. Quase por acaso. Estava na academia, às voltas com meus exercícios habituais desde o início do século, quando um professor parou diante da esteira. “Estamos precisando de mais uma pessoa na equipe de revezamento para a Maratona do Pão de Açúcar”, foi logo falando. “Não quer se juntar a nós?” Nunca tinha pensado em disputar provas de rua, ou sequer treinado a céu aberto, mas gostei do desafio e acabei topando. Debaixo de chuva, fiz meus primeiros cinco quilômetros em competição.

No domingo, pouco antes da largada para a Maratona do Rio, eu me lembrei dessa história incidental. O vício da corrida tinha rapidamente me trazido para os confins do Recreio dos Bandeirantes, com a meta de chegar ao Aterro do Flamengo dali a quatro horas. Já havia, desde 2008, participado de várias provas, de 5 km a meias maratonas. Tinha treinado duro nos últimos seis meses, após meio ano parado por motivos profissionais. Mas, confesso, quando tocou o hino nacional e foi dada a largada, senti o desafio cortando minhas veias.

Aos 49 anos, era minha primeira maratona. Quase desanimei quando vi o termômetro marcando, às 7h30, apavorantes 24 graus. Mas decidi zarpar no ritmo previsto: 5min35/km, ou 10,8 km/h. Eu tinha escolhido uma trilha sonora eclética, que combinava músicas de balada e marchas militares, prazer e guerra. Minha modesta e particular epopeia foi iniciada ao som de “Bella Ciao”, cantada pelo coro do Exército Vermelho, da falecida União Soviética. Sentia-me entrando em combate, contra meus próprios limites.

Fiz os primeiros 14 quilômetros dentro da cadência planejada. O calor era bestial, percebia sinais de fadiga, mas imaginava que poderia ir naquela toada até completar dois terços da prova e, então, desacelerar. Aproveitaria o “colchão” de tempo acumulado e terminaria em menos de 4h15. A ilusão se desfez quando cruzei a Praia do Pepe, na Barra, completando metade do percurso. Os relógios da orla cravavam 9h34 e 29 graus. Fechei os 21 km um tiquinho acima das duas horas, mas exausto. Olhei para o frequencimetro: 172 batidas por minuto na média, última volta a 178. Uma barbaridade. Quase 95% de minha frequência máxima.

Reduzi a velocidade um pouco, para me recuperar e pensar no que fazer. Quando ultrapassei a marca dos 25 km, em menos de 2h30, e já avistava a subida da Nieymeier, recordei uma frase de meu avô, Waldemar Zumbano, histórico técnico de boxe. Ele sempre ensinava a seus pupilos que aprender a bater era fácil, duro era aprender a apanhar. Na corrida, isso significa saber reconhecer o incumprimento do objetivo inicial, aceitar a derrota parcial e reorganizar seu plano de ataque. Sem cair na tentação da desistência ou se deixar tomar pela frustração. A verdade é que eu tinha quebrado, precisava aceitar isso e seguir adiante, estipulando outra meta. Nada me impediria de concluir minha primeira maratona.

Do quilômetro 26 em diante, combinei corrida, trote e caminhada. Meu corpo, esfriando aos poucos, reclamava do esforço pesado. O joelho esquerdo doía muito. Uma bolha no pé direito quase impedia que pisasse corretamente. Depois de acelerar na descida que desemboca no Leblon, a torcida das pessoas que se aglomeravam nas avenidas Delfim Moreira, Vieira Souto e Atlântica injetava oxigênio direto no pulmão. Os corredores, nessas horas, se sentem heróis de uma batalha sem armas.

Aos trancos e barrancos cheguei ao Aterro. Voltei a correr no km 41. Levemente. Quando avistasse o pórtico de chegada, iria dar uma arrancada final. Tinha direito a meus duzentos metros de Emil Zatopek. No fone de ouvido, tocava a canção-tema de “Rocky”. Vieram lágrimas aos olhos quando avistei o final da prova. Acelerei o que pude. Cheguei a 18 km/h. Às favas o cansaço e a dor. Eu tinha vencido o asfalto e o sol. A duras penas. Sem alcançar o resultado almejado, pois finalizei em 4h50. Mas sentindo uma das maiores alegrias de minha vida.”

Breno Altamn é jornalista e diretor do site Opera Mundi.

Publicado originalmente no Blog do Rodolfo Lucena na Folha Online.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Exercícios

Uma resposta para “Correndo

  1. gente mas eu não sei o que acontece comigo.. to me esforçando.. corro toda semana, mas ainda nao acho a coisa mais legal do mundo.. acordo moida no dia seguinte.. =/ sera que um dia vou me acostumar? Indiquei seu blog lah no meu, pra ver se minhas amigas se animam!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s